Ânsia de Liberdade

Francisco Martins Rodrigues

Novembro/Dezembro de 1987


Primeira Edição: Política Operária nº 12, Nov/Dez 1987

Fonte: Francisco Martins Rodrigues - Escritos de uma vida

Transcrição: Ana Barradas

HTML: Fernando A. S. Araújo.

Direitos de Reprodução: Licença Creative Commons licenciado sob uma Licença Creative Commons.


“O FUTURO RADIOSO”, de Alexandre Zinoviev. D. Quixote 1987.

“Desde que Soljenitsine conseguiu ser uma celebridade mundial, um intelectual em cada três pôs-se a escrever coisas anti-soviéticas ou está a preparar-se para isso”. Com este desabafo que põe na boca do seu personagem, A. Zinoviev resume o seu próprio caso. Viajou para o Ocidente para poder contar ao mundo como é execrável o modo de vida soviético. Mas, embora se dedique a explorar o filão, ainda não conseguiu tornar-se uma celebridade como Soljenitsine. Talvez por falta de talento literário, talvez pelas indigestas tiradas ideológicas com que recheia os seus livros.

O futuro radioso pretende ser uma sátira demolidora ao meio dos funcionários-intelectuais de Moscovo nos anos 70, em pleno brejnevismo. Fala-nos de gente da classe média, embrutecida, cínica e mesquinha, agachada perante o poder. Ninguém vale nada, impera um carreirismo desbragado, “existe uma luta geral e violenta pela obtenção de privilégios”.

Desta morna baixeza extrai Zinoviev a sua filosofia, repisada ao longo do livro até à exaustão: o comunismo já existe, é este nojo; o futuro radioso da humanidade não passa dum engano gigantesco; o marxismo não fornece explicação racional para nada, é uma construção ideológica criada pela parte mais medíocre da sociedade para seu proveito próprio; etc., etc.

A isto se reduz a bagagem ideológica de Zinoviev que, como todos os bons dissidentes, não se esquece de achincalhar de passagem a revolução de 1917, admirar as “liberdades” do Ocidente e fazer o seu namoro à religião — a miséria do costume.

O que não significa que o livro não tenha interesse para quem quer compreender a sociedade soviética actual. Pelo contrário. Aquilo que Zinoviev desvenda involuntariamente é a raiz da atracção pelo Ocidente que domina as camadas médias soviéticas, a sua ânsia de imitação, o seu sentimento de inferioridade perante as “luzes” do mundo capitalista.

Inveja dos bens de consumo a que não têm acesso, das maiores oportunidades de “subir na vida”, da maior liberdade cultural? Sem dúvida. Mas tudo isto são parcelas duma reivindicação mais profunda — o direito à emancipação política.

Forçados a condenar a propriedade privada (com que sonham), obrigados a celebrar a mentira gigantesca da “sociedade sem classes” e da “construção do homem novo”, os novos burgueses soviéticos sentem-se asfixiar. Já não aguentam ter de renegar diariamente os seus próprios valores. Anseiam pelo dia em que possam afirmar o seu direito a existir como classe.

Essa obrigação intolerável de continuar a declarar fidelidade ao que já não existe, como quem fica o resto da vida a velar um morto, é a origem da náusea em que se debatem os personagens de Zinoviev. A descrença de que algum dia possam viver numa sociedade burguesa normal é a fonte da sua amargura rancorosa.

E isso consegue o livro retratar. Vale a pena ler o episódio grotesco da redacção dum novo manual sobre a “metodologia do comunismo científico”, que serve de pano de fundo à história.

Manejos e intrigas entre académicos em busca de promoção resultaram na decisão de redigir uma nova cartilha oficial. Durante meses a fio, batalhões de “especialistas em ideologia marxista-leninista” consomem-se num esforço épico, correndo para as reuniões de secções, comités e sub­grupos, escrevinhando relatórios, notas e observações, revendo e polindo sem fim as fórmulas “científicas”, não vá escapar alguma ideia original, até o texto ficar pronto para publicação: seis meses para elaborar o plano geral da obra, mais seis meses de redacção parcelada em subcapítulos (é a tarefa dos escribas de serviço, pagos à hora), ainda seis meses para juntar e refundir tudo de novo; apreciação pelos órgãos competentes do Comité Central; nova refundição geral… E toda esta sórdida mastigação, pomposamente alcunhada de “trabalho colectivo”, para disfarçar o abismo entre a vida real e os elevados princípios proclamados.

Compreende-se que Zinoviev não suportasse mais tanta hipocrisia e tenha buscado refúgio num mundo em que pode finalmente ser franco. De qualquer modo, se tivesse sido mais esperto e menos impulsivo estaria hoje a gozar em Moscovo as primeiras alegrias da transparência – ainda só um primeiro passo, é certo, mas já um passo no caminho que levará a nova burguesia soviética a desenvencilhar-se do colete de forças “marxista” em que sufoca.


Inclusão 10/06/2018